Visualizações

17 setembro 2008

189



Circular Avenidas
ROGERIO SANTOS

a patroa
chamou minha sogra
pro jantar
(de novo?)

a inxirida da véia
tratou de pentelhar
(telefone à cobrar)

- imprestável !...
...qual ônibus
tenho que tomar?
(eu mudei de barraco)

naquele instante
foi quando a idéia me ocorreu:
(hoje eu vou me livrar)

- pega o Avenidas
e vai até o ponto final
(acho que vai demorar)

já vão três dias
e ninguém mais ousa perguntar
(acertei no milhar!)

a jararaca,
virou balaústre do busão
(ligação à cobrar...)

no banco dos bôbos
que nem um boneco "michelin"
(ligação à cobrar!)

- caiu meus dentes
mas não há um meio
de chegar...
(quáquáráquáquáquá)

toma uma sopa
e espera chegar
o ponto final
(ou desce no Araça!)

eu agradeço
em preces a CMTC
(Deus há de abençoar)

pelo Avenidas
que fez minha sogra
circular

13 setembro 2008

188


(Flores de Maria Helena: Aquarela de Sonia Madruga)

Aquarela
ROGERIO SANTOS

por dentro alameda
por fora sou crua
sou tensa procura
por fora sou fina
senhora, sou fúria
por dentro sou nua
que atento verias
por dentro sou densa
sou faca, serpente
por fora tormenta
fulgura aparente
por dia sou muitas
por conta sou ninfa
sou Vênus cadente
decerto sou santa
picante, inocente
ditado dileto:
- "por hora sou tua"
com carta na manga
pitomba, pitanga
aguardente, elegia
por certo lerias
tivesses a lente
meu fundo de olho
meu fundo de alma
por certo lerias
na linha aparente
da mão espalmada
do braço de mar
por quanto, portanto
porvir evidente

saber o que mente
o rastro e a vela
teu sim e meu não
por certo ouvirias

um som de menina
palavras colhidas
em tons de aquarela

187


(Jericoacoara, a praia que inspirou a letra)

Rogerio Santos - Beira Mar


Beira Mar
Letra: ROGERIO SANTOS
Música: ROGERIO SANTOS E FLORIANO VILLAÇA

o calor na areia
chinelo de correia
a duna que dá canseira
no dia da beira mar

o cheiro da caldeirada
uma cerveja gelada
o paladar da namorada
na noite da beira mar

o sonho de mil viagens
vislumbre de mil miragens
preguiça de toda tarde
no dia da beira mar

a lua entre o coqueiro
a brisa lambe o cabelo
a prosa pelo passeio
na noite da beira mar

o artesão na feira
tem renda, rede, peneira
o peixe na frigideira
no dia da beira mar

o jogo da capoeira
cantoria na fogueira
o rasta-pé na ribeira
na noite da beira mar

o silêncio, o encanto
o sossego, o descanso
da vida na beira mar