Visualizações

19 outubro 2009

238



Detalhe
ROGERIO SANTOS

para fazer um poema
não tem data
nem dito
nem dote
nem duto

mas invento na hora
se pintar uma "Dete"

12 comentários:

As Mina disse...

hummm... sei lá..sei lá...

Guca Domenico disse...

Ai se a dona dita lê isso...

May =) disse...

haha eu quase participei desse.. uhahauhaha

beijos querido!

Analuka disse...

Pode ser um detalhe... o duto ou delta, o dobro ou a dobra... que dá à luz a letra... à pinta, ao poema! ABraços pintados, meu caro!

vmfinzetto disse...

Você inventa tudo, né? Seu inventudo... beijos

Adriana Karnal disse...

Rogério,
acho q não captei bem o es´pírito da "dete"...mas hj faz muuuito calor aqui.

Salsa disse...

Olá,
Pituco falou-me do seu blog e eu vim conferir. Li rapidamente mas é facilmente perceptível a força dos seus textos. Retornarei depois, com mais calma.
Abraços,

Salsa disse...

PS: Sobre poemas:
Poema

Troca de palavras,
troça de letras
incertas, trôpegas.
Bêbedas retretas
tocam as ruas,
forçam janelas:
Dançam nas velas
a chama e o fumo

Renata de Aragão Lopes disse...

(risos)

Adorei:
leve,
ligeiro,
"aliterado".

Abração,
doce de lira

Mai disse...

pura palavra em libido e 'dutos'.

abraços.

Karinne disse...

haha... bacanaaa!!

rodrigo mebs disse...

esse é genial!